Seguidores

domingo, 20 de novembro de 2016

Criadores apostam na homeopatia para tratar doenças de animais


Seu filho está doente, com uma infecção: você leva ao hospital para dar um remédio ou busca um tratamento homeopático? O assunto é polêmico, muita gente desconfia, mas essa alternativa existe e está sendo usada até nos animais.

Assista ao vídeo com a reportagem completa e veja como o tratamento homeopático surgiu como alternativa forte aos remédios convencionais.


http://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/videos/t/edicoes/v/criadores-apostam-na-homeopatia-para-tratar-doencas-de-animais/5459959/





terça-feira, 15 de novembro de 2016

Comida ou veneno? Produção orgânica se viabiliza como garantia de segurança alimentar

Ainda modesta no país, atividade agrícola sem agrotóxicos cresce 35% ao ano e se viabiliza também modelo de negócio – solidário, sustentável e lucrativo



Vilmar Menegat não tem filhos. Mas se vê como "pai" de uma família numerosa de sementes nativas. São mais de 60 diferentes "filhotes" conservados com carinho em potes de vidro reciclados. Milho, feijão, trigo sarraceno, soja preta, chia são alguns dos nomes dessas crioulas – vistas pelo agricultor como sementes da preservação da biodiversidade do planeta.

Vilmar, 42 anos, vive com os pais, descendentes de italianos, em um sítio de 50 hectares no interior de Ipê, município localizado na serra gaúcha, autointitulado "Capital Nacional da Agroecologia".

A principal cooperativa da cidade, Eco Nativa, tem 67 produtores orgânicos associados que vendem diretamente em feiras de Porto Alegre e Caxias do Sul – o excedente vai para os supermercados. Ipê e a cidade vizinha Antônio Prado foram pioneiras da produção de alimentos orgânicos no Brasil.

Toda semana levam quatro caminhões carregados às feiras de Porto Alegre.

 Normalmente retornam vazios.

Veja a reportagem completa no link abaixo:



Comida ou veneno? Produção orgânica se viabiliza como garantia de segurança alimentar

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Teste aponta que mais de um terço dos alimentos tem agrotóxicos ilegais

Foram analisados oito tipos de legumes e verduras compradas em feiras e supermercados do Rio de Janeiro e de São Paulo.



Um teste realizado em laboratório pela Proteste, Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, com amostras de oito alimentos comprados em feiras e supermercados no Rio de Janeiro e em São Paulo teve resultados preocupantes.

Entre verduras, frutas e legumes, 14% tinham níveis de pesticidas acima do que é recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. E mais de um terço, 37%, tinham agrotóxicos que não poderiam ser usados na produção do alimento.