Seguidores

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Aplicativo auxilia na identificação de inimigos naturais de pragas agrícolas


Uma das maiores dificuldades para o produtor é identificar os inimigos naturais das pragas que atacam sua lavoura, especialmente para quem pretende utilizá-los como método de controle, pois esses aliados naturais podem ser confundidos com as próprias pragas. Para facilitar a identificação, especialistas da Embrapa Agrobiologia (RJ) desenvolveram um aplicativo com o qual é possível acessar imagens dos agentes naturais de controle mais comuns. O Guia InNat é gratuito e está disponível para download na loja de aplicativos Google Play.

Com um smartphone em mãos, o produtor pode comparar um inseto coletado em campo com a galeria de imagens. Além disso, pode ir para o campo, fotografar um inseto presente na sua lavoura e comparar no mesmo momento a foto tirada com a câmera do celular com as imagens da galeria do Guia InNat. Além de fotos, o aplicativo contém informações sobre cada grupo de inimigo natural e sua função na natureza. “De nada adianta a presença de insetos benéficos na lavoura, se o agricultor confundi-los com os que podem causar danos à plantação”, alerta a pesquisadora da Embrapa Alessandra de Carvalho Silva, especialista em controle biológico de pragas e uma das idealizadoras do aplicativo.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Composto feito com ipê roxo pode ajudar no tratamento do câncer de mama

Ipê roxo na rodovia SP 215, em Porto Ferreira (Foto: Fabiana Assis/G1)

Em testes de laboratório, substância desenvolvida na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) foi 100 vezes mais eficiente que medicamentos atuais.


 Ipê, uma das árvores mais queridas e representativas do Brasil, pode, no futuro, ajudar muito na cura do câncer de mama. Uma pesquisa desenvolvida pela doutoranda Kátia Mara de Oliveira, do Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sob a orientação do professor Alzir Batista, mostrou em testes em laboratório que o lapachol, uma substância retirada da casca do ipê roxo, tem alto poder de mortandade sobre as células do câncer de mama.

 A pesquisa ocorre desde 2012. O objetivo da química era aliar produtos naturais com propriedades anticancerígenas ao rutênio, um metal muito parecido com o ferro – que ajuda a transportar as substâncias até as células doentes – para criar compostos mais eficientes que os medicamentos utilizados para o tratamento de câncer atualmente e diminuir os efeitos colaterais.

Veja a reportagem completa no link abaixo:

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Agrotóxicos: debates espinhoso , mas necessário

Pessoal, para quem quiser saber um pouco, sobre a utilização de agrotóxicos no estado do Paraná, o blogue esta reproduzindo uma reportagem da Folha Rural!






Se existe um assunto espinhoso no agronegócio mundial, sem dúvida, é referente à utilização de agrotóxicos ao longo das últimas décadas. Informações desencontradas e discursos tendenciosos muitas vezes acabam deixando a população que consome o que é produzido no campo com muitos questionamentos, em um nebuloso fogo cruzado.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

A todos os amigos, que acompanham esse blogue!

Um feliz natal! Que a essência do que representa o natal, esteja presente, em cada dia de 2018!

E que 2018 seja um ano repleto de transformação, realização e desenvolvimento integral, a todos.

Grande Abraço!





segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Brasil libera quantidade até 5.000 vezes maior de agrotóxicos do que Europa




O debate sobre o uso de agrotóxicos ganhou um novo capítulo, e ele não é bom para o Brasil. Estudo inédito revelou o abismo que existe entre a legislação brasileira e a da União Europeia sobre o limite aceitável de resíduos na água e nos alimentos.

A contaminação da água é o que mais chama a atenção, com a lei brasileira permitindo limite 5.000 vezes superior ao máximo que é permitido na água potável da Europa.

No caso do feijão e da soja, a lei brasileira permite, respectivamente, o uso no cultivo de quantidade 400 e 200 vezes superior ao permitido na Europa. Esses são os resultados do estudo "Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil ...

Esses são os resultados do estudo "Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia", da pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de Geografia Agrária da USP (Universidade de São Paulo). ...


"Infelizmente, ainda não é possível banir os agrotóxicos. Por isso, é importante questionar por que o governo brasileiro não usa parâmetros observados no exterior", afirma Bombardi, para quem a permissividade em relação à água "é "é uma barbárie".

Enquanto a União Europeia limita a quantidade máxima que pode ser encontrada do herbicida glifosato na água potável em 0,1 miligramas por litro, o Brasil permite até 500 vezes mais. O Brasil tem, segundo o estudo, 504 agrotóxicos de uso permitido. Desses, 30% são proibidos na União Europeia --alguns há mais de uma década.

Esses mesmos itens vetados estão no ranking dos mais vendidos. O acefato, tipo de inseticida usado para plantações de cítricos, é o terceiro da lista.


Uma nota técnica da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) citada no estudo de Lombardi mostra que o acefato causa a chamada "síndrome intermediária". Entre os danos à saúde estão fraqueza muscular dos pulmões e do do pescoço. Em crianças, o risco é mais acentuado. "A nossa legislação é frouxa no que diz respeito aos resíduos e à quantidade permitidos na União Europeia", diz Bombardi.

Veja a reportagem completa no link abaixo:





quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Testes de ONG mostram que 36% dos alimentos têm agrotóxicos acima do limite ou proibidos

Publicado originalmente em : G1 BEM ESTAR Por Monique Oliveira.
Resultado de imagem para 36% dos alimentos têm agrotóxico proibido ou acima do limite, indica estudo
Levantamento da ONG Greenpeace com alimentos como arroz, feijão e café mostrou ainda que 60% das amostras apresentam pelo menos algum tipo de resíduo de pesticida.

Testes feitos em 12 alimentos comuns da dieta do brasileiro, entre eles o arroz e o feijão, mostraram que 36% apresentavam irregularidades em relação a agrotóxicos: ou apresentavam pesticidas totalmente proibidos no Brasil para qualquer alimento; ou continham níveis de produtos proibidos para aquela cultura específica; ou, ainda, contavam com resíduos acima do limite permitido por lei.

O levantamento também mostrou que 60% das amostras apresentavam pelo menos algum tipo de resíduo de pesticida.


VEJA TAMBÉM:
É seguro, ingerir diariamente resíduos de agrotóxicos?