Seguidores

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Plantas podem ver, ouvir, cheirar e até reagir?

Josh Gabbatiss BBC Earth

Na visão de Jack Schultz, plantas são "como animais muito lentos": conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos.

Professor da Divisão de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, ele passou quatro décadas investigando as relações entre vegetais e insetos. Segundo o cientista, as plantas lutam por território, procuram alimentos, evitam predadores e fazem armadilhas para suas presas. Logo, estão vivas no mesmo sentido que os animais - assim como eles, exibem condutas.

"Para ver isso, basta você fazer um filme rápido de uma planta em crescimento - ela vai se comportar como um animal", acrescenta Olivier Hamant, um cientista especializado em vegetais da Universidade de Lion, na França.

Qualquer pessoa que tenha visto documentários sobre a natureza, ao estilo deLife, de David Attenborough, pode verificar que vídeos em time-lapse demonstram claramente o comportamento das plantas.

As plantas registradas nessas imagens em alta velocidade estão se movendo com um objetivo, o que significa que elas devem ter alguma consciência do que está acontecendo em volta.

"Para responder corretamente, as plantas também precisam de dispositivos de detecção sintonizados às condições que variam", explicou Schultz.

Foto aérea registra um sorriso feito de plantas de arroz na província de Zhejiang, na China


Como humanos

Mas o que uma planta sente?

Se você acreditar no que afirma Daniel Chamovitz, da Universidade de Tel Aviv, em Israel, os sentimentos delas não são tão diferentes dos nossos.

Quando decidiu escrever What a Plant Knows ("O que uma Planta Sabe", em tradução livre), livro lançado em 2012 no qual explora a vida delas com base em pesquisas científicas rigorosas e avançadas, o cientista ficou apreensivo.

"Eu estava extremamente preocupado com a reação que (o livro) iria causar", disse.

Tanta cautela tinha motivos. As descrições em seu livro de plantas vendo, cheirando, sentindo e até sabendo o que se passava à sua volta lembra A Vida Secreta das Plantas (de Peter Tompkins e Christopher Bird), um livro publicado em 1973 que fez muito sucesso naquela época, mas tinha pouca coisa em termos de fatos.


domingo, 15 de janeiro de 2017

Brasil tem 5 mil vezes mais glifosato na água do que países europeus

Pesquisadora da USP desenvolve mapa da contaminação por agrotóxicos no Brasil, país já considerado o maior consumidor do mundo



O Brasil Rural desta sexta-feira (9) conversou com a pesquisadora e professora de Geografia Agrária da USP, Larissa Bombardi, sobre o alto índice de agrotóxicos que consumimos no Brasil e os reflexos para a saúde. Os mapas produzidos por Larissa são chocantes. Mortes por intoxicação e suicídio são alguns dos casos citados pela professora em seu trabalho mais recente, que resultará no livro Geografia sobre o uso de agrotóxicos no Brasil.

A pesquisa, que está em fase de finalização, reúne os dados sobre os venenos agrícolas em uma sequência cartográfica que dá dimensão complexa a um problema pouco debatido no país. São mais de 60 mapas entre os anos de 2007 a 2014. O Brasil é campeão mundial no uso de agrotóxicos, posto, até a década passada, ocupado pelos EUA.

"O glifosato, herbicida mais vendido no Brasil, e causador de câncer é 5 mil vezes maior na água potável por aqui do que na União Européia. Inclusive em algumas praças e parques públicos, ele é utilizado para capinar. Há muitas prefeituras utilizando também à beira da estrada. Por que é seguro aqui e não é lá fora? 30% dos agrotóxicos que são usados no Brasil são proibidos na União Européia", alerta ela sobre a permissividade brasileira em relação a outros países.

Clique, no player link abaixo, para ouvir a entrevista na íntegra.


quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Brasil é o país que mais consome agrotóxicos no mundo

Análise da Anvisa mostrou que a laranja é o alimento campeão em concentração de agrotóxicos. Além dela, muitas frutas, legumes e verduras têm índices acima do permitido.





09/01/2017 10h41 Atualizado 09/01/2017 13h55

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e pela primeira vez, uma análise da Anvisa mostrou que consumir laranjas pode causar contaminação aguda.

E não é só a laranja, não. Muitas frutas, verduras e legumes têm concentração de produtos químicos acima do permitido, mas será que tirar a casca resolve? E lavar? O Bem Estar de segunda-feira (09) fala sobre o assunto e as nutricionistas Vanderli Marchiori e Mariana Garcia explicam o que o consumidor pode fazer.

E você sabe a diferença entre agroecológicos, orgânicos e hidropônicos?

Pensando na saúde, será que vale a pena pagar mais caro?



Veja a reportagem completa no link abaixo:

domingo, 8 de janeiro de 2017

Milhões de abelhas morrem no interior de SP; agrotóxico pode ser causa




Pelo menos dez milhões de abelhas morreram nesta semana na região de Porto Ferreira (a 230 km de São Paulo). A estimativa de produtores de mel é que ao menos 200 colmeias de nove apiários tenham sido atingidas. A principal suspeita é de que agrotóxicos aplicados por uma usina em um canavial da região tenham causado as mortes.

O Ministério Público foi acionado e irá analisar se irá entrar com uma ação civil pública para apurar as responsabilidades.


Veja também :




sábado, 31 de dezembro de 2016

O que o ano novo irá nos trazer?

Que possamos compreender cada vez mais, que ser cocriador de nossa experiência humana, é um direito nosso, e tudo que acontece fora de nós, é um reflexo daquilo que vibra dentro, mudando dentro, mudamos fora.
Que 2017 seja um ano repleto de muita transformação, prosperidade e cocriação consciente!

Que possamos ser as mudanças que queremos ver no mundo!

Grandioso 2017 a todos!


sábado, 24 de dezembro de 2016

Feliz Natal e um próspero Ano Novo!

A todos que acompanham esse blogue, um feliz natal e próspero ano novo e que possamos em 2017 continuarmos juntos, na divulgação e na busca de uma agricultura mais limpa e responsável, com respeito ao ser humano e ao meio ambiente.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

'Epidemia de câncer'? Alto índice de agricultores gaúchos doentes põe agrotóxicos em xeque

       Paula Sperb Da BBC, em Porto Alegre (*)
O agricultor Atílio Marques da Rosa, de 76 anos, andava de moto quando sentiu uma forte tontura e caiu na frente de casa em Braga, uma cidadezinha de menos de 4 mil habitantes no interior do Rio Grande do Sul.

"A tontura reapareceu depois, e os exames mostraram o câncer", conta o filho Osmar Marques da Rosa, de 55 anos, que também é agricultor.

Seu Atílio foi diagnosticado há um ano com um tumor na cabeça, localizado entre o cérebro e os olhos. Por causa da doença, já não trabalha em sua pequena propriedade, na qual produzia milho e mandioca.

Para ele, o câncer tem origem: o contato com agrotóxicos, produtos químicos usados para matar insetos ou plantas dos quais o Brasil é líder mundial em consumo desde 2009.

"Meu pai acusa muito esse negócio de veneno. Ele nunca usou, mas as fazendas vizinhas sempre pulverizavam a soja com avião e tudo", diz Osmar.